terça-feira , 24 outubro 2017
Inicio / Mato Grosso / Colniza / PC constata que deficiente que teve perna roída por ratos, vivia em condições desumanas em fazenda

PC constata que deficiente que teve perna roída por ratos, vivia em condições desumanas em fazenda

Dono da fazenda, advogado foi preso após a Justiça Federal decretar sua prisão. Ele que prestou depoimento antes de ser preso. Deficiente foi resgatado pela Polícia Civil após denúncias

O deficiente físico e visual que foi resgatado no início do mês em uma fazenda em Colniza, cidade do Mato Grosso a 550 km de Vilhena, vivia em condições desumanas, segundo a Polícia Civil. Ele foi resgatado em situação análoga à escravidão na fazenda de um advogado, identificado como Robson Medeiros, de 42 anos. O funcionário é cego de um olho, tem uma perna amputada e é portador de hanseníase.
O advogado dono da fazenda teve a prisão decretada pela Justiça Federal e foi preso na semana passada, ao procurar a delegacia para saber quando seria ouvido na investigação, sem saber que tinha uma ordem judicial contra ele. O interrogatório do suspeito durou várias horas e a polícia ainda não divulgou detalhes sobre o depoimento. O delegado responsável pelo caso, Edison Ricardo Pick, disse que o advogado negou algumas informações e confirmou outras.
Foram cumpridas sete ordens judiciais, entre mandados de prisão, de busca e apreensão, e de condução coercitiva. A Justiça Federal também expediu a prisão temporária (de cinco dias) contra um idoso, de 72 anos, ex-sogro do advogado, além da condução coercitiva para a atual mulher do profissional do Direito.
Tanto o advogado quanto o ex-sogro são suspeitos de sequestro e cárcere privado, situação análoga à escravidão, maus tratos e favorecimento sexual. As buscas foram feitas na casa e no escritório do advogado, e em duas propriedades rurais dos investigados.
As ordens foram decretadas pelo juiz federal Antônio Lúcio Túlio de Oliveira Barbosa, da Subseção Judiciária de Juína do Tribunal Regional Federal (TRF).
DEFICIENTE, CEGO E ATACADO POR RATOS
O trabalhador tem deficiência física e visual ocasionadas por acidentes de trabalho nas fazendas do advogado. O funcionário, que nunca teve carteira assinada e recebia apenas moradia e comida pelos trabalhos prestados, ficou cego do olho esquerdo devido a um acidente de trânsito em 2015 e amputou uma perna em razão de ferimento causado quando apagava um incêndio na propriedade.
Quando foi resgatado, o trabalhador morava em um quarto com muitos ratos e próximo ao chiqueiro. O local ainda funciona como depósito para armazenamento de produtos agropecuários, rações e ferramentas.
A vítima é portadora de hanseníase e não sente dores no corpo. Há quatro meses, ratos roeram a perna dele enquanto a vítima dormia. Ao se levantar, o trabalhador percebeu as poças de sangue no colchão. Devido às deficiências, o lavrador não conseguia fazer a sua comida e esperava que outros funcionários da fazenda levassem a refeição para ele.
Os policiais constataram que na fazenda há um banheiro adequado com sanitário e chuveiro, porém, os proprietários o deixam trancado com cadeado e corrente, obrigando a vítima a tomar banho de mangueira atrás da casa, ou em uma lagoa onde divide o espaço com porcos, bois e cavalos.
De acordo com a vítima, seus documentos pessoais estão há um ano em poder do ex-sogro do patrão, supostamente para dar entrada em sua aposentadoria.
Muito debilitado, o trabalhador foi encaminhado para atendimentos médicos e está, atualmente, na casa de um familiar.

Fonte: G1/MT 

Comente com facebook

comentarios

Sobre ANTONIO

Além disso, Veja

Operação Lei Seca: Policiais Militares do 3º BPM garantem trânsito mais seguro no final de semana

Operação é realizada aos finais de semana Policiais Militares do 3º BPM participaram da Operação …